sexta-feira, 22 de agosto de 2014


Olá amores, tudo bem com vocês?

Primeiramente gostaríamos de nos desculpar por toda essa ausência. Realmente não foi legal e prometemos tentar evitar que isso ocorra novamente. Estamos preparando projetos muito legais e esperamos que vocês gostem... Mas, nesta semana, daremos continuação ao Especial vida de escritor. Desta vez nossa participante é a querida Iris Figueiredo, autora de Confissões On-line e Dividindo Mel.

Nessa postagem vamos falar em especial sobre o livro Confissões On-line e sobre a vida da escritora, está muito legal. Quer ver qual foi o resultado? Confira:

Prudência é uma característica que só consta no sobrenome de Mariana Prudente. A menina viu sua vida mudar de cabeça para baixo em poucos meses: perdeu a popularidade, o namorado, a melhor amiga e o grande sonho de fazer um intercâmbio. Mariana vê seu nome rabiscado nas cabines do banheiro da escola e escuta fofocas sobre ela pelos corredores do colégio e fica sem rumo. O vestibular se aproxima, sua irmã está enlouquecida por causa do casamento marcado, e tudo que ela quer é não pirar enquanto suporta os últimos meses no ensino médio. Sem lugar para desabafar, Mari vê no ambiente virtual uma chance de descarregar todas as angústias do mundo off-line, criando o vlog Marinando. Com sua banda preferida como trilha sonora, ela conta com a ajuda de Arthur e Carina para mergulhar no mundo virtual e esquecer os problemas do mundo real. Com uma câmera na mão e alguns vídeos na internet, Mariana Prudente vê sua vida mudar mais uma vez, pois chegou a hora de sair dos bastidores e ser protagonista novamente.

1- Qual foi sua inspiração para escrever o livro Confissões On-line? 
A Mariana já tinha aparecido no meu primeiro livro, Dividindo Mel. Muitos leitores me perguntavam sobre ela e queriam saber mais sobre a personagem. Isso me deu vontade de escrever mais sobre ela. Como a história se passa dois anos depois de Dividindo Mel e eu já imaginava o que teria acontecido com a Melissa, comecei a pensar como estaria a Mari dois anos depois. Então comecei a pensar no que acontecia na vida dela, no que tinha acontecido com o namoro dela e como ela lidaria com tudo aquilo. Foi aí que comecei a pensar a história.
Mas a ideia da Mari ter um vlog veio de uma amiga minha, a escritora Dayse Dantas. Inicialmente, a irmã dela ia participar de um reality show de casamentos - tipo Bridezilla, que eu adoro - e isso iria atrapalhar a vida da Mari, toda a invasão de privacidade que ela não queria, por causa de outra pessoa. Mas não estava funcionando. Conversando com a Dayse, ela me deu essa sugestão e o resto da história simplesmente fluiu.

2- No livro você retrata um pouco sobre a bulimia/anorexia. Por que você resolveu abordar este assunto? Que conselhos você daria para as meninas que sofrem disso?
Quem tem anorexia ou bulimia nunca se enxerga como realmente é, então é difícil chegar para uma menina que está passando por essa situação e dizer "você precisa se ver, você é linda". Isso não vai acontecer: a mente projeta algo completamente diferente da realidade. Então, para as meninas que estão passando por essa situação, meu conselho é um só: procure ajuda. Seus pais sempre vão querer o melhor para você, por isso converse com eles, conte o que você está passando e peça para eles te levarem a um psicólogo. A partir disso seu tratamento será direcionado. Por vezes é preciso acompanhamento psiquiátrico e com nutricionistas, mas muitas vezes apenas terapia já resolve. Sua vida é muito preciosa para ser desperdiçada com esses transtornos, então não tenha medo de admitir que precisa de alguém para ajudá-la.

3- Você se inspirou em alguém em especial para criar os personagens? 
A Mariana tem um pouquinho de mim. Fui buscar no meu Ensino Médio algumas ideias para compor a personagem. Acho que o jeitinho da Nina também é um pouco meu jeito. Eu gosto de criar personagens com defeitos e qualidades, mas de quem eu gostaria de ser amiga - mesmo que tenha vontade de sacudir durante o processo. Vou confessar uma coisa: a Heloísa é inspirada em uma pessoa que realmente existe! Mas no fim das contas, acabo juntando um pouquinho da minha imaginação e buscando um pouco dos meus amigos para criar os personagens.

4- No livro a Mari sonhava em fazer intercâmbio, e você, já fez ou pretende fazer?
Eu nunca fiz, mas sempre quis. Eu acabei a faculdade agora e estou pensando no que fazer em seguida. Nos meus planos está um curso de férias no exterior, mas isso talvez demore um pouquinho para acontecer - lá pra 2016, talvez, pretendo fazer um curso de roteiro fora do Brasil.

5- Quais são seus próximos projetos? Poderia contar um pouquinho sobre eles para nós? 
No momento estou trabalhando na sequência de Confissões On-line. Escrever uma série é muito difícil para mim, já que sou meio "desorganizada" com a escrita - e eu preciso amarrar pontos que deixei em aberto no primeiro livro, encontrar soluções etc., então está sendo um desafio. Depois disso, tem uma história que gostaria muito de escrever - e um dos personagens apareceu emBastidores 1. Acho que será meu próximo trabalho depois que terminar Bastidores da minha vida virtual 2, que ainda não sei como vai se chamar.

6- Pensa em fazer uma biografia?
Não, acho que nunca pensei nisso! 

7- Os problemas da Mari começam a aparecer no fim do colegial, causando uma grande mudança em sua vida. Poderia nos contar como foi o seu ensino médio? 
Meu Ensino Médio teve uma parte muito boa e uma parte muito ruim. Acho que meu 1º ano do E.M. foi perfeito, mas, assim como a Mari, algumas coisas aconteceram no final do Ensino Médio que deixaram algumas lembranças ruins da escola. Mas acho que tudo serve para a gente aprender um pouquinho, o que não podemos deixar é os momentos ruins definirem nossa vida e passar por cima disso tudo da melhor forma possível. A Mari escolheu criar um vlog, eu resolvi escrever. É só tirar bom proveito disso!

8- Para finalizar, quais dicas você daria para quem pretende ser escritor? 
Leia muito. A melhor forma de "aprender" a escrever é lendo, assim você descobre o que considera bom e ruim, adquire mais bagagem e vocabulário, foge do que já conhece e tenta criar coisas novas. Depois, é só escrever, colocar suas histórias no papel. Não importa se é bom ou ruim, só escrevendo que você vai se aprimorando. O mais importante de tudo é não desistir dos seus sonhos - se você quer ser escritor, engenheiro, músico, médico, tanto faz... Você tem que correr atrás, dar sempre o seu melhor, saber ouvir, praticar muito e dar a cara a tapa. Nem sempre tudo acontece rápido ou da maneira que queremos, mas não vale desistir no meio do caminho. Tente sempre! Só consegue quem tenta e quebra muito a cabeça tentando.

Foi uma honra para nós, da equipe do GC, poder fazer essa pequena entrevista com a Iris, mesmo que não pessoalmente. Agradecemos por toda a atenção e carisma que a autora teve conosco e desejamos a ela muito sucesso, pois é merecedora. 

Esperamos que vocês tenham gostado, relembrando que caso queiram uma postagem especial falando sobre algum autor de sua preferência é só entrar em contato conosco. Você pode fazer isso através dos comentários ou através do nosso e-mail: garotascultura@gmail.com. 

Com carinho,
Garotas Cultura.

domingo, 10 de agosto de 2014
             
foto retirada do tumblr

No mundo de hoje estamos cercados por vários ídolos, não é mesmo? Ídolos da música, ídolos do cinema, ídolos dos esportes, ídolos literários... No mundo literário podemos citar como uma das nossas maiores ídolas a J.K. Roling, criadora do incrível e super amado Harry Potter.

Lógico que existem outros nomes de autores que merecem muito destaque. Afinal, hoje em dia, para ser um ídolo teen e ser reconhecido pelo mundo inteiro não basta apenas ter um trabalho de sucesso. Nada disso. A pessoa deve ser simpática, cativante, encantar a todos com sua graça e, além disso, ter gestos encorajadores. Deve ser, definitivamente, uma grande inspiração a ser seguida.

Por que eu resolvi escolher a J.K. Roling como exemplo dessa postagem? Porque a nossa queridíssima escritora britânica enviou uma carta manuscrita do diretor de Hogwarts, Alvo Dumbledore, em apoio à jovem Cassidy Stay, de 15 anos, que foi a única sobrevivente de um tiroteio ocorrido no mês passado, no Texas, Estados Unidos.  

Cometido pelo ex-marido de sua tia, o crime resultou na perda de todos os familiares da jovem. Após perder seus pais e seus quatro irmãos, Cassidy vive atualmente com seu avô.

 A jovem comoveu o mundo ao ler um texto de seu livro favorito da saga, "Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban", no funeral de sua família, e de fazer com que a frase de Dumbledorea felicidade pode ser encontrada inclusive nos momentos mais escuros; só é preciso se lembrar de acender a luz" se tornasse uma fonte de forças para ela.

 O conteúdo da carta não fora revelado, mas junto dela foram enviados uma varinha, uma carta de aceitação da escola de magia Hogwarts e um exemplar autografado do terceiro livro "Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban".

São gestos como esse que fazem com que tenhamos tantos ídolos atualmente. São gestos como esse que devem ser honrados e admirados. Afinal, em momentos como esses, todo apoio e toda solidariedade fazem a diferença.
            Confira abaixo o vídeo com o discurso de Cassidy: 


Fontes de pesquisa: http://capricho.abril.com.br/vida-real/sobrevivente-tiroteio-recebe-carta-dumbledore-escrita-j-k-rowling-794912.shtml e http://revistagalileu.globo.com/blogs/estante-galileu/noticia/2014/08/jk-rowling-escreve-carta-de-dumbledore-sobrevivente-de-tiroteio-no-texas.html 

Para mais informações: http://portugues.notimerica.com/sociedade/noticia-fortaleza-uma-menina-americana-viu-sua-familia-ser-assassinada-20140716144844.html
sexta-feira, 18 de julho de 2014

Olá amores, tudo bem com vocês?

Nesta semana vamos iniciar o "Especial vida de escritor" , o que é isso? Nós iremos postar uma ou duas vezes por mês entrevistas e/ou curiosidades sobre algum escritor. Para iniciar com o pé direito nós preparamos para vocês uma entrevista com a Graciela Mayrink, autora de Até eu te encontrar. Quer ver? Confira:
Na Universidade de Viçosa, em Minas Gerais, calouros e veteranos começam a se conhecer e as amizades vão se formando em um mundo de estranhamentos que é a vida universitária. Até que as paixões começam a aparecer. Carla é uma moça intragável que acredita ser a dona do mundo — e que tem atitudes que podem ser bem mais perigosas do que pensam seus amigos. Flávia é caloura na universidade e aprendeu muito mais do que se ensina nas salas de aula — especialmente sobre alguns temas esotéricos, como o encontro de almas gêmeas e a existência de bruxas (boas e más). E Luigi — que além de lindo é querido por todos os amigos — está prestes a ter, mais uma vez, sua vida modificada de uma maneira arrebatadora.

"1-Em que época de sua vida você decidiu tornar-se escritora?
Eu escrevo desde pequena. Comecei criando revistinhas com a minha irmã e depois passei para os versinhos, na adolescência. Quando entrei na universidade, comecei a escrever romances, histórias de 200, 300 páginas, como uma forma de passar o tempo. Apenas em 2008 que comecei a pensar na escrita como profissão, por incentivo da minha irmã Flávia.

2-Qual foi sua inspiração para escrever o livro "Até eu te encontrar"?
A ideia do livro surgiu da vontade de escrever uma boa história. Quando decidi escrever para publicar, quis um livro que se passasse na universidade. Engraçado que vemos muitos livros estrangeiros que se passam na universidade, mas aqui no Brasil a maioria é no colégio. Mas essa não foi minha motivação, o tempo que passei na universidade foi um dos melhores da minha vida e quis tentar mostrar isso no papel. Escolhi Viçosa por ter estudado lá, ser um local que conheço. Daí começaram a surgir as ideias da trama, personagens.

3-Você se inspirou em alguém em especial para criar a Flávia e o Luigi? E os outros personagens? 
Eu comecei a fazer a Flávia me baseando na minha irmã, mas logo a personagem ganhou vida própria e deixou de ser parecer com a Flávia verdadeira. Os outros são criações da minha cabeça. Não me baseio em pessoas que conheço, prefiro dar a cada personagem seu rosto e características próprias.

4-No livro "Até eu te encontrar" descobrimos várias coisas sobre a bruxaria wicca, por que você decidiu abordar esse assunto?
Quando comecei a escrever Até Eu Te Encontrar, senti que faltava alguma coisa, aquele toque especial. Na época estava terminando de ler a série da Anne Rice, que comento no livro, e achei a história incrível, o modo como a Anne criou a trama familiar. Eu ficava sempre pensando naquilo, porque nos livros dela as mulheres têm uma presença forte e muitas são as donas de suas vidas, digamos assim. Eu já li muita história que envolve bruxaria, mas geralmente as mulheres não tinham o poder de decidir sua própria vida. Daí veio a ideia de usar a Wicca para tornar forte a presença das personagens femininas do meu livro.

5-Tem alguma mensagem qual você gostaria de transmitir através do livro e poucos perceberam? 
A mensagem principal é a de dar chance às pessoas. Não ficar tão focado em alguém que pode não ser a pessoa certa para nós. Mas não fiz o livro pensando nisso ou em passar qualquer mensagem. Escrevo para entreter as pessoas e tirar esse mundo de fantasia da minha cabeça. Gosto de criar livros leves, com tramas que podem ser reais.

6-Quais escritores te inspiram? 
Pedro Bandeira e Anne Rice. Na adolescência foram eles que fizeram com que eu me apaixonasse pelos livros e começasse a escrever. Atualmente leio de tudo e tenho outros autores que sou apaixonada, como Nicholas Sparks, Fernando Sabino, Bernard Cornwell, Luis Fernando Veríssimo, John Grisham e Harlan Coben, esse último pelo fato de também usar muito diálogo e frases curtas.

7-Quais são seus novos projetos? Você poderia nos falar um pouquinho sobre eles? 
Meu segundo livro, A Namorada do Meu Amigo, será lançado agora em agosto. A história é narrada pelo Cadu, que tem 20 anos. Ele tem dois grandes amigos: Caveira e Beto. Só que... ele vai se apaixonar pela Juliana, namorada do Beto, e aí começa a confusão, ainda mais porque a Alice, irmã do Beto, gosta do Cadu. Sobre futuros projetos, no momento estou escrevendo meu terceiro livro. Espero termina-lo em breve, para começar a escrever o quarto.

8-E para finalizar, que conselhos você dá para quem pretende virar escritor?
Trabalhar muito, não desistir jamais e, se tiver condições, busque uma publicação independente para começar. É difícil conseguir um bom contrato se você não é conhecido. As pessoas são muito mais duras com livros nacionais que com os internacionais, vejo isso muito nas resenhas, não apenas do meu livro, mas de outros também. Vejo muitos comentários do tipo: "ah, legal, desejo sucesso ao autor, mas não leio nacional". Embora isso esteja mudando aos poucos, é uma pena que ainda tenha gente que pense assim, então o autor iniciante precisa ter muita perseverança porque é um meio difícil."

Ficamos muito felizes com a entrevista da Graciela e esperamos que vocês também tenham gostado. Querem ver uma postagem especial falando sobre seu autor favorito? Diga para nós. Para qualquer opinião ou ideia, entre em contato conosco através dos comentários ou através do nosso e-mail: garotascultura@gmail.com

Beijos,
Equipe Garotas Cultura.
sábado, 28 de junho de 2014

Oi gente, tudo bem?
Bom, a minha primeira postagem no blog vai ser uma resenha sobre um filme musical, chamado “Poção da Juventude”.
            
                            
O filme é baseado em danças, amor e traição. Harper era uma grande dançarina quando jovem, porém, ao fraturar o joelho, passou a ser coreografa.

Sua filha, Mirabella, a estrela principal de uma apresentação coreografada por Harper, desiste de fazer a apresentação, pois ira se casar em pouco tempo na Itália. No mesmo dia Harper machuca o joelho e pede um remédio para dor, no lugar do remédio, dão a ela uma estranha bebida achada no teatro. Ao tomar essa bebida, Harper fica estranha e muda completamente sua aparência. Além disso, ela acaba criando um plano maléfico para sua filha deixar de se casar.

Em minha opinião o filme é bem legal, além de ter músicas muito legais como “Me too”,” DJ Got Us Falling in Love Again”, entre outras. Um ótimo filme.


Espero que tenham gostado da minha resenha, não sou muito boa nisso, mas, se vocês acharem alguma falha, escrevam nos comentários que eu vou tentar melhorar.

 Beijos, Carol!   

    
sexta-feira, 13 de junho de 2014

Oi gente, tudo bem com vocês?

Como essa é a minha primeira postagem individual no blog, resolvi falar sobre uma história que está fazendo o coração de várias adolescentes bater mais forte: A culpa é das estrelas.

Com certeza você já ouviu falar de Augustus Waters e Hazel Grace, dois adolescentes com câncer que, mesmo sofrendo com a doença, conseguiram vivenciar o mais puro dos sentimentos: o amor.

Diagnosticada com câncer nos pulmões, Hazel, 16, é obrigada pelos pais a freqüentar um grupo de apoio para jovens com câncer. Em uma dessas idas ao local, Hazel Grace acaba conhecendo Augustus, um jovem de 17 anos que perdeu a perna para o osteosarcoma. A partir daí os dois acabam se aproximando e preenchendo o pequeno infinito das suas vidas.

O livro, para quem não sabe, é do autor John Green e foi publicado no início de 2012 e na quinta-feira, dia 05/06, foi lançado seu filme.

Se o livro já é extremamente emocionante , vê-lo adaptado em uma gigantesca tela de cinema é ainda mais cativante. Como se não bastasse toda a emoção que a história já nos transmite, no elenco principal estão Shailene Woodley, como Hazel, Ansel Elgort, como Gus, e Nat Wolff, como Isaac.

                                                           (Ansel, Shailene e Nat, respectivamente)
Sou um pouco suspeita para falar, já que amo os três, mas esse trio realmente arrasou e teve uma atuação incrível. Perdi a conta de quantas pessoas saíram, literalmente, as lágrimas da sala do cinema após ver o filme.

Posso dizer que, mesmo o filme nunca sendo igual o livro, essa adaptação foi bem fiel a história e seguiu todos os padrões esperados.

Tanto o livro quanto o filme estão na minha (enorme) lista de favoritos e, caso você esteja procurando um romance emocionante e com citações incríveis, não perca mais seu tempo!

Okay? Okay.

“Alguns infinitos são maiores que outros.”

             
Espero que tenham gostado amores, até breve.
Beijos,

Letícia. 
quinta-feira, 5 de junho de 2014

Bem vindos ao GC (Garotas Cultura)!

O blog é formado por quatro garotas: Caroline (Carol), Elisa (Lisa), Júlia (Jujuba) e Letícia (Leeh). Nós moramos em Caxias do Sul -RS. Ambas temos treze anos e cursamos o 8º ano (sétima série do ensino fundamental).
Os assuntos tratados no blog são relativos à cultura (logicamente haha), entre eles estão: livros, filmes, teatro, moda, artistas, beleza, músicas, etc...
Inicialmente as postagens serão feitas semanalmente, seguindo a seguinte ordem: Letícia, Júlia, Caroline e Elisa.
Esperamos que gostem do blog e que nos acompanhem semanalmente.

Com carinho,
Garotas Cultura.

PS: Vocês poderão descobrir mais sobre a gente acessando as páginas com nossos nomes (ao lado do início).
PS²: a maioria das fotos que postamos aqui para "estampar" as postagens são retiradas do tumblr.

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Visitas

Google+ Followers

Siga por e-mail

Postagens mais visitadas