sexta-feira, 18 de julho de 2014

Olá amores, tudo bem com vocês?

Nesta semana vamos iniciar o "Especial vida de escritor" , o que é isso? Nós iremos postar uma ou duas vezes por mês entrevistas e/ou curiosidades sobre algum escritor. Para iniciar com o pé direito nós preparamos para vocês uma entrevista com a Graciela Mayrink, autora de Até eu te encontrar. Quer ver? Confira:
Na Universidade de Viçosa, em Minas Gerais, calouros e veteranos começam a se conhecer e as amizades vão se formando em um mundo de estranhamentos que é a vida universitária. Até que as paixões começam a aparecer. Carla é uma moça intragável que acredita ser a dona do mundo — e que tem atitudes que podem ser bem mais perigosas do que pensam seus amigos. Flávia é caloura na universidade e aprendeu muito mais do que se ensina nas salas de aula — especialmente sobre alguns temas esotéricos, como o encontro de almas gêmeas e a existência de bruxas (boas e más). E Luigi — que além de lindo é querido por todos os amigos — está prestes a ter, mais uma vez, sua vida modificada de uma maneira arrebatadora.

"1-Em que época de sua vida você decidiu tornar-se escritora?
Eu escrevo desde pequena. Comecei criando revistinhas com a minha irmã e depois passei para os versinhos, na adolescência. Quando entrei na universidade, comecei a escrever romances, histórias de 200, 300 páginas, como uma forma de passar o tempo. Apenas em 2008 que comecei a pensar na escrita como profissão, por incentivo da minha irmã Flávia.

2-Qual foi sua inspiração para escrever o livro "Até eu te encontrar"?
A ideia do livro surgiu da vontade de escrever uma boa história. Quando decidi escrever para publicar, quis um livro que se passasse na universidade. Engraçado que vemos muitos livros estrangeiros que se passam na universidade, mas aqui no Brasil a maioria é no colégio. Mas essa não foi minha motivação, o tempo que passei na universidade foi um dos melhores da minha vida e quis tentar mostrar isso no papel. Escolhi Viçosa por ter estudado lá, ser um local que conheço. Daí começaram a surgir as ideias da trama, personagens.

3-Você se inspirou em alguém em especial para criar a Flávia e o Luigi? E os outros personagens? 
Eu comecei a fazer a Flávia me baseando na minha irmã, mas logo a personagem ganhou vida própria e deixou de ser parecer com a Flávia verdadeira. Os outros são criações da minha cabeça. Não me baseio em pessoas que conheço, prefiro dar a cada personagem seu rosto e características próprias.

4-No livro "Até eu te encontrar" descobrimos várias coisas sobre a bruxaria wicca, por que você decidiu abordar esse assunto?
Quando comecei a escrever Até Eu Te Encontrar, senti que faltava alguma coisa, aquele toque especial. Na época estava terminando de ler a série da Anne Rice, que comento no livro, e achei a história incrível, o modo como a Anne criou a trama familiar. Eu ficava sempre pensando naquilo, porque nos livros dela as mulheres têm uma presença forte e muitas são as donas de suas vidas, digamos assim. Eu já li muita história que envolve bruxaria, mas geralmente as mulheres não tinham o poder de decidir sua própria vida. Daí veio a ideia de usar a Wicca para tornar forte a presença das personagens femininas do meu livro.

5-Tem alguma mensagem qual você gostaria de transmitir através do livro e poucos perceberam? 
A mensagem principal é a de dar chance às pessoas. Não ficar tão focado em alguém que pode não ser a pessoa certa para nós. Mas não fiz o livro pensando nisso ou em passar qualquer mensagem. Escrevo para entreter as pessoas e tirar esse mundo de fantasia da minha cabeça. Gosto de criar livros leves, com tramas que podem ser reais.

6-Quais escritores te inspiram? 
Pedro Bandeira e Anne Rice. Na adolescência foram eles que fizeram com que eu me apaixonasse pelos livros e começasse a escrever. Atualmente leio de tudo e tenho outros autores que sou apaixonada, como Nicholas Sparks, Fernando Sabino, Bernard Cornwell, Luis Fernando Veríssimo, John Grisham e Harlan Coben, esse último pelo fato de também usar muito diálogo e frases curtas.

7-Quais são seus novos projetos? Você poderia nos falar um pouquinho sobre eles? 
Meu segundo livro, A Namorada do Meu Amigo, será lançado agora em agosto. A história é narrada pelo Cadu, que tem 20 anos. Ele tem dois grandes amigos: Caveira e Beto. Só que... ele vai se apaixonar pela Juliana, namorada do Beto, e aí começa a confusão, ainda mais porque a Alice, irmã do Beto, gosta do Cadu. Sobre futuros projetos, no momento estou escrevendo meu terceiro livro. Espero termina-lo em breve, para começar a escrever o quarto.

8-E para finalizar, que conselhos você dá para quem pretende virar escritor?
Trabalhar muito, não desistir jamais e, se tiver condições, busque uma publicação independente para começar. É difícil conseguir um bom contrato se você não é conhecido. As pessoas são muito mais duras com livros nacionais que com os internacionais, vejo isso muito nas resenhas, não apenas do meu livro, mas de outros também. Vejo muitos comentários do tipo: "ah, legal, desejo sucesso ao autor, mas não leio nacional". Embora isso esteja mudando aos poucos, é uma pena que ainda tenha gente que pense assim, então o autor iniciante precisa ter muita perseverança porque é um meio difícil."

Ficamos muito felizes com a entrevista da Graciela e esperamos que vocês também tenham gostado. Querem ver uma postagem especial falando sobre seu autor favorito? Diga para nós. Para qualquer opinião ou ideia, entre em contato conosco através dos comentários ou através do nosso e-mail: garotascultura@gmail.com

Beijos,
Equipe Garotas Cultura.

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Visitas

Google+ Followers

Siga por e-mail

Postagens mais visitadas